Em Fá Sustenido
 
22 de Junho de 2017

 

estuda(-)ses

 

Neste país

Muito se diz 

Muito se escreve

Pouco se estuda

Pouco se aprende

Pouco se conjuga

Pouco se concerta

Tudo se sabe

Tudo se dita

Tudo se debita

Pouco se acerta

 

musicado por fá# às 11:42 link da pauta
Escalas:
21 de Junho de 2015

 

flor da romã

Uma estrela em flor
Coroa de luz e cor 
Um sol de romã

 

 

musicado por fá# às 14:31 link da pauta
Escalas:
07 de Março de 2014

 

 

 

Há quem se olhe demoradamente ao espelho...

a imagem nele reflectida é que nem sempre corresponderá à realidade.

Umas vezes poderá ser deveras favorecida e outras precisamente o contrário...

é bom que tenhamos algum cuidado ao analisar a imagem daí resultante.

 

musicado por fá# às 13:44 link da pauta
Escalas: ,
14 de Janeiro de 2014

 

 

Não sei o que prende o mar

Que movimentos o encerram

Para se agitar assim

Que tormentos

Que sofrimentos tão vis

Que lhe arrancam lamentos

E o movem a dura servis

 

Não sei o que o tem cativo

Que enleios traz em si…

 

Mas há correntes que agarram o mar

 

 

musicado por fá# às 23:40 link da pauta
Escalas:
13 de Dezembro de 2013

 

Ai, quantas vezes
Ai quantas
O Amor 
A amizade
A fraternidade
São lâmpadas fundidas
Num emaranhado de fios...
Ai quantas!

 

 

A quantos aqui passam, um feliz e iluminado Natal!

E um Ano Novo de renovada Esperança!

musicado por fá# às 14:58 link da pauta
Escalas:
30 de Outubro de 2013

 

Há alturas assim...

que nem posso,

outras,

que nem água no poço

 

musicado por fá# às 10:59 link da pauta
Escalas:
11 de Julho de 2013

 

 

Nas bifurcações do quotidiano há léguas de marés suspensas

Papéis em branco

Desdobráveis declamados no vento pela rua

Ditos em tréguas petrificadas

Lâminas a esvair-se languidamente sem nada a desejar

 

Nas bifurcações do quotidiano

Perdemos de vista as galáxias

Ensombradas por nuvens imprevisíveis

A anos-luz de distância


musicado por fá# às 13:50 link da pauta
Escalas:
24 de Abril de 2013

 


A aldeia aprisionada num esotérico submundo

Globo ocular à espreita da cidade exotérica

É verdade abafada de mentira

Extemporâneo entulho esférico

Frustrâneo dióspiro

Incomestível

Imperceptível forma de moléstia

Praga sem modéstia que não parte

Nem reparte

 

E dói o ritual

Ofício doloso

Numa bola de cristal


musicado por fá# às 22:21 link da pauta
Escalas:
26 de Fevereiro de 2013

 

Do fundo do olhar um abismo

Espreita

Uma bolha de pão

Uma bola de ar

Asas de condor

 

Do fundo do olhar um ninho

Sem cor

De ave ferida

Um resto de alento

Num sopro de vida

 

Do fundo do olhar um rio

Submerso

Leito assombrado

De seixos vadios

Em água poluída

 

Do fundo do olhar um mar

À solta

Um barco sem leme

Uma onda esvaída

Numa praia deserta

 

Do fundo do olhar

Uma porta

Fechada

 

musicado por fá# às 12:15 link da pauta
Escalas: ,
20 de Agosto de 2012

 

Escorrem poemas

Momentos de água

Deslizando em fendas

Talhadas a par e passo

 

Podem acordar os pássaros

Aprisionados no espelho

Soltarem-se do rio

Os doirados das nuvens

Do fundo das muralhas

Labaredas azuis

 

Que nas horas escuras ou leves

Imensas ou breves

Entre charcos e bordados

Palavras e pedras

Versos e pétalas

Há um espelho que nos reflecte

 

musicado por fá# às 20:12 link da pauta
Escalas: ,
Com mais som
23 comentários
17 comentários
15 comentários
15 comentários
14 comentários
13 comentários
12 comentários
11 comentários
10 comentários
8 comentários
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape