Em Fá Sustenido
 
10 de Janeiro de 2012

 

Debaixo da ponte correm pedras

Natureza morta

Que mata

Pousio bravo

Obstáculo de tropeço e arremesso

Oceano irracional

Pedestal sombrio

Catedral do vazio

Abismo

Penedos pontiagudos

Pedregulhos

Areias e Seixos

Calhaus

Correm pedras debaixo da ponte


musicado por fá# às 08:30 link da pauta
Escalas:
A imagem é triste mas o poema é encantador, e muito diz!
Bjs
lilá(s)) a 16 de Janeiro de 2012 às 20:21
Subamos as escadas! :)

Bjinhs
fá# a 18 de Janeiro de 2012 às 19:35
Quando os rios secam, são as pontes que passam por cima das pedras-
Beijo.
Que nunca caiam as pontes :)

Beijos
fá# a 18 de Janeiro de 2012 às 19:47
Quando o ria se ausenta, as pedras instalam-se na sombra da ponte...
Belo poema, gostei.
Fá, querida amiga, tem uma boa semana.
Beijo.
Nilson Barcelli a 6 de Fevereiro de 2012 às 22:33
... pois é... muitas vezes, faz-se das pedras rio, em vez de se construírem pontes com elas.

Obrigada pelas tuas sempre pontes.

Bjos
fá# a 7 de Fevereiro de 2012 às 15:03
Cheio de sentido e sentidos este belo poema. Atrever-me-ia a dizer que a ponte é o que nos eleva e nos distancia de tudo o que se nos apresenta como negativo (o que está sob a ponte).
Rita a 25 de Fevereiro de 2012 às 23:24
Muito bem dito, Rita.
Que se construam sempre pontes que nos elevem acima do que for negativo :)
Obrigada pela visita e palavras.
fá# a 26 de Fevereiro de 2012 às 09:16
Com mais som
23 comentários
17 comentários
15 comentários
15 comentários
14 comentários
13 comentários
12 comentários
11 comentários
10 comentários
8 comentários
Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape