Em Fá Sustenido
 
16 de Abril de 2012

 

Bradam ao céu espinhos

Uma floresta de dores

Por dentro da janela escancarada

Um mundo alheio a tudo

E recheado de nada

 

Moldura de vento silente

Murmúrio cansado e dolente

Aroma de rosas bravias

Na esquina aguda do tempo

Que passa a rasgar os dias

 

musicado por fá# às 23:30 link da pauta
Escalas:
Quando os espinhos nos ferem, as nossas palavras são, no mínimo, gemidos...

:)

Beijos
Mas os ferimentos tanto podem ser dos espinhos como da pele macia de mais.
Enfim, é uma moldura possível "na esquina aguda do tempo"...
Beijo, querida amiga.
Tens razão: a pele pode muitas das vezes ser frágil... mas, ainda assim, haja pele que proteja os outros órgãos.
Obrigada :)
Beijos
fá# a 23 de Abril de 2012 às 13:01
Com mais som
23 comentários
17 comentários
15 comentários
15 comentários
14 comentários
13 comentários
12 comentários
11 comentários
10 comentários
8 comentários
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape