Em Fá Sustenido
 
09 de Junho de 2012

 

Há distâncias forjadas

Tão mar

Habitáculos de cardos

E ervas salgadas

Águas em fogo

Areias de gelo

Pássaros calados

Tão noite

Tão sede

Tão saudade…

 

Mas haverá ainda manhãs

Tão mar

De sítios tranquilos

Radiantes

De flores

E perfumes.

E das pedras sairão fontes

Onde os pássaros feridos

Se hão-de banhar.

 

musicado por fá# às 16:10 link da pauta
Escalas:

De um mar de sede, outro mar espera para nascer da depuração das águas.
É desse mar imenso que bebemos, quando são de vento as nossas asas.

Lindíssimo o poema . Bela, a força inspiradora da paisagem.

Um beijinho, Fa.
Saciemos, assim, a sede nos mares que nos vão (pre)enchendo a alma.

Obrigada, Maria João. Beijinho :)
fá# a 20 de Junho de 2012 às 17:01
Com mais som
23 comentários
17 comentários
15 comentários
15 comentários
14 comentários
13 comentários
12 comentários
11 comentários
10 comentários
9 comentários
Junho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape