Em Fá Sustenido
 
26 de Fevereiro de 2013

 

Do fundo do olhar um abismo

Espreita

Uma bolha de pão

Uma bola de ar

Asas de condor

 

Do fundo do olhar um ninho

Sem cor

De ave ferida

Um resto de alento

Num sopro de vida

 

Do fundo do olhar um rio

Submerso

Leito assombrado

De seixos vadios

Em água poluída

 

Do fundo do olhar um mar

À solta

Um barco sem leme

Uma onda esvaída

Numa praia deserta

 

Do fundo do olhar

Uma porta

Fechada

 

musicado por fá# às 12:15 link da pauta
Escalas: ,
16 de Abril de 2012

 

Bradam ao céu espinhos

Uma floresta de dores

Por dentro da janela escancarada

Um mundo alheio a tudo

E recheado de nada

 

Moldura de vento silente

Murmúrio cansado e dolente

Aroma de rosas bravias

Na esquina aguda do tempo

Que passa a rasgar os dias

 

musicado por fá# às 23:30 link da pauta
Escalas:
13 de Março de 2012

 

Há uma Primavera (in)discreta que me espreita à janela

Um cálido perfume a nascer dos raios de sol

Uma luz serena de realidade donzela

Uma sinfonia de cores breves no ar

Um convite à utopia no jardim

Um reflexo de vida nova a levitar

E um sopro de brisa mansa nascente em mim

 

Eu gosto e preciso disso

Simplesmente porque sim

 

musicado por fá# às 18:56 link da pauta
Escalas:
Com mais som
23 comentários
8 comentários
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape